Existem outros Caminhos

O artigo de hoje quase não saiu, a internet não colaborava há dias, quando acordei verifiquei que ela tinha dado seu supiro final durante essa madrugada. Liguei direto no cabo, reiniciei o modem, reiniciei o computador e nada. Eu poderia chamar o namors para dar uma olhada e ver se não era nada que eu estava esquecendo de fazer.

Entretanto, como uma pessoa sensata que sou, não ia fazer essa sacanagem de acordá-lo as 7h de um domingo para arrumar a internet. Então sentei confortavelmente no sofá e liguei para a operadora, o que eu já deveria ter feito, mas estava evitando.

É comum que pessoas não gostem de ligar para operadora por diversos motivos, eu achava algo muito cansativo e que, geralmente, não resolvia a minha questão. Porém, o que mais me faz protelar é que eu, particularmente, não acho que falar ao telefone seja a coisa mais divertida a se fazer.

Acontece que nem tudo na vida é diversão, constantemente adiamos aquilo que não nos dá tanto prazer em fazer, ou decisões mais complexas, enfim, tudo que, de alguma forma, não soa agradável aos nossos ouvidos.

Recebemos esses “chamados” frequentemente: um azulejo solto na cozinha que adiamos o conserto, uma pia que dá sinal de entupimento ou a internet com sinal instável. Ao invés de resolvermos essas “coisinhas”, vamos deixando para depois e criando um acúmulo de coisinhas, resultando em uma grande coisa.

O nosso inconsciente no ajuda e, de tempos em tempos, nos manda uns lembretes. Como quando as 16h de uma segunda você lembra, do nada, daquele arranhão na lataria do carro que está por arrumar.

É por isso que, por vezes, temos aqueles dias em que “tudo resolve dar errado”. Na verdade, protelamos até o ponto em que as coisas estragam de vez. Como eu que ao invés de agir assim que a internet apresentou instabilidade, fiquei remediando até o momento em que não funcionou mais.

A diferença está em como reagimos ao chegar nesse ponto, pois, muitas vezes, ao invés de termos consciência da nossa procrastinação, ficamos espraguejando e culpando o universo por conspirar contra nós.

Eu já fiz muito isso, hoje eu procuro focar em como resolver a situação e no meu aprendizado para não acontecer novamente. Hoje, por exemplo, eu me dediquei a ligar e resolver a situação, consegui com que o atendente me ajudasse e enviasse um comando para que a internet ficasse mais estável.

Expliquei a situação, falei que dependo da internet para trabalhar e, além de me ajudar, ele abriu um chamado de verificação com a equipe externa e agendou uma visita aqui em casa para verificação do aparelho. Mais tarde, o técnico externo me ligou para verificar como estava meu sinal e dizer que já havia feito as verificações e ia me ligar mais tarde para continuar o acompanhamento.

Eu conto essa história, porque, em determinadas situações, ficamos sofrendo por tanto tempo em função de algo que “precisamos” fazer, que passamos muito mais trabalho e dispendemos muito mais energia em sua resolução do que o necessário. Entenda que somos nós que deixamos as coisas “sofridas” ou chatas, é uma questão de escolha.

O que deve ser feito não mudará, o que muda é nossa forma de fazer. Sempre há uma forma de tornar as coisas mais agradáveis, nem que seja na sua forma de sentir. Gerencie seu estado emocional, você sempre poderá escolher entre fazer algo sorrindo ou chorando, depende só de você.

Eu acredito em cada um de vocês!

Beijos!

Até a próxima!

Gostou? CURTA e COMPARTILHE com seus amigos!

Tem sugestões? Deixe nos COMENTÁRIOS ou mande uma MENSAGEM!

Lembre-se de SEGUIR o blog para ficar por dentro das novidades!

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: